Cidadania

Rock and Roll!

Vou postar aqui um vídeo que dá uma boa versão da história do Rock, além de fazer uma reflexão interessante sobre a sua situação atual e seus possíveis rumos.

Como teria surgido o Rock and roll? Qual conteúdo ele carregou ao longo de sua história? Ele fez-se pura diversão ou também motivou “gritos” de rebeldia? Qual relação existe entre o Rock e o contexto de uma época?

O que teria acontecido com o Rock? Ainda há renovação, bandas novas? Qual conteúdo este ritmo musical carrega agora? Ele já tem um rumo definido ou está tentando se adaptar a esta situação sócio-política atual?

Veja este breve documentário que tenta analisar estas questões.

Categorias: Cidadania, Educação | Tags: , | Deixe um comentário

A MENINA QUE ODIAVA LIVROS

Ler pode ser uma viagem para um mundo desconhecido, uma fuga para um lugar melhor, uma resposta para nossa curiosidade, a resolução de um dos nossos problemas, a diversão nos dias difíceis, a tranquilidade nos dias agitados, o sorriso nos dias tristes, a profundidade nos dias superficiais, a paz num espírito em guerra, e a liberdade numa mente ainda escravizada.

E não são os sorrisos, a tranquilidade, a diversão, a profundidade, a paz e a liberdade o que sempre buscamos?

Estaremos nós sendo contraditórios quanto à escolha dos nossos objetivos e o que fazemos para conquistá-los?

Categorias: Ciências Sociais, Cidadania, Educação, Ensino Médio 1° Ano, Español, Filosofia 1° ano, Geografia 6° ano, Geografia 7° ano, Geografia 8° ano, Geografia 9° ano, História 1° ano, História 6° ano, História 7° ano, História 8° ano, História 9° ano, Trabalhos dos Estudantes | Tags: | Deixe um comentário

Formação de valores ou formação de valore$$$? – Resultados da Prova ABC

Nossa situação no Ensino Fundamental pode nos dar uma ideia sobre o que será o futuro. Hoje em dia existe a preocupação de importar profissionais especializados para continuar manter o país no rumo do crescimento econômico. Como será o amanhã? A maioria dos alunos do Ensino Fundamental não aprende o mínimo esperado para sua faixa etária. Muitos não sabem calcular o troco quando vão comprar algo. Ou seja, o próprio exercício da cidadania fica limitado. Além disso, estes alunos chegarão ao Ensino Médio muito defasados gerando vários dos problemas que já conhecemos como professores. Como os professores do Ensino Médio poderão ensinar os conteúdos específicos de suas disciplinas se aos alunos falta a base da leitura e da escrita, da resolução dos cálculos básicos e a autonomia para buscar novos conhecimentos? Mas o fundamental desta questão é o fato de que os alunos não estão aprendendo e por isso haverá dificuldades para produzir mão de obra para o mercado?

A educação está em crise? Parece que não. Parece que este é o projeto de educação pensado pelas nossas elites. Não é uma crise, é o resultado de um processo, de um projeto de precarização de “tudo” o que um dia já teve alguma solidez. As relações de trabalho foram precarizadas, as relações pessoais foram precarizadas e a educação não vai fugir à regra. Refiro-me a uma precarização a partir do meu ponto de vista, do ponto de vista de quem não concorda com este modelo de educação em que os educadores são desprezados e retirados da sua autoridade (autoridade no sentido de ter autonomia e respeito em seu trabalho de educar). Mas, sob o ponto de vista neoliberal, isto não é uma crise e sim a continuidade de um projeto que vem sendo colocado em prática há pelo menos duas décadas em nosso país.

Deixo para vocês os links do Estadão Online e da Folha Online com suas reportagens sobre a Prova ABC, que testou as crianças do Ensino Fundamental I em nosso país. Os alunos fizeram uma prova e os resultados vocês poderão ver nas reportagens abaixo:

Avaliação mostra que metade dos alunos de 8 anos não aprende o mínimo – vida – versaoimpressa – Estadão

Prova do Ensino Fundamental aponta que 57% não sabem matemática. FolhaOnline

Não se iludam. Estes são resultados de um processo histórico e não uma realidade que apareceu agora, do nada. É um projeto que está sendo colocado em prática e que, em seus objetivos, está dando certo. Educação não é mera formação de mão de obra para “alimentar” o mercado, embora esta seja a preocupação que está relacionada à educação de hoje. Muitas vezes os jornais noticiaram esta situação de falta de mão de obra especializada em nosso país e a necessidade de importar especialistas para manter o crescimento econômico, uma vez que estes especialistas não estão sendo formados aqui. Esta é a preocupação em relação à educação que é noticiada porque ela é uma exigência do capital, uma exigência da economia, uma necessidade da burguesia para manter seus lucros.

Ao mesmo tempo, comportamentos cotidianos nos mostram as dificuldades que temos de conviver em sociedade na base de valores como o respeito mútuo, a solidariedade, enfim, a consciência de que dividimos o mundo com outras pessoas. Casos de pessoas que escutam músicas em volume máximo em transportes públicos ou mesmo em seus carros sem ter a noção de que podem estar incomodando as demais pessoas que estão no mesmo espaço, adolescentes e crianças que praticam pequenos crimes como roubos e furtos, que se envolvem com drogas ou são indisciplinados em relação aos seus pais e/ou professores, entre outros, são alguns exemplos de que necessitamos de uma educação diferente, de um modelo que eduque não só para o mercado, mas que seja capaz de preparar pessoas para a vida em sociedade.

Por isso, creio que os resultados desta Prova ABC são evidências de um modelo de educação que está falhando não só na eficiência em mediar conhecimentos. A formação de valores das nossas crianças talvez seja mais preocupante. Como será o amanhã? Teremos um lugar em que as pessoas conheçam seus limites e saibam respeitar umas as outras? Ou viveremos um individualismo exacerbado em que cada um saberá respeitar, no máximo, a si mesmo? Qual é o modelo de educação que queremos?

Categorias: Cidadania, Notícias | Tags: | Deixe um comentário

Grêmio Estudantil

Estudantes engajados,

Para ajudá-los na ideia de formar um Grêmio Estudantil, vou deixar aqui uns links para que vocês possam ter como base o que é um Grêmio, como montar um e para que ele serve. Espero que seja úitl para vocês:

1 – Grêmio passo a passo: http://www.pucrs.br/mj/subsidios-gremio_estudantil-07.php

Esta página ensina passo a passo como montar um Grêmio e inclusive tem um modelo de estatuto, que pode ser registrado na direção da escola e na própria diretoria de ensino.

2 – O que é um Grêmio Estudantil: http://www.pucrs.br/mj/subsidios-gremio_estudantil-01.php

Aqui você terá a informação sobre o que é e para que servve um Grêmio, inclusive ideias de ações que ele pode assumir na escola.

3 – Dia a dia da educação: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/portal/gremio/index.php

Aqui você encontra todas as informações necessárias para montar um Grêmio. Desde suas resposnsabilidades, até modelos de chapas e de estatuto, modelo, de ata, modelo de reunião e um link com leis estaduais e federais.

🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 😉 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂

Acho que assim já poderemos iniciar nossa participação na escola. Com dedicação, tenho certeza de que será possível conquistar muitas coisas.

Abraços,

Porf. José Gomes

Categorias: Cidadania, Educação | Tags: , , , | Deixe um comentário

“Lei Tiririca”

A reforma política do pode começar com a “Lei Tiririca”, que decretaria o fim do sistema proporcional para a eleição de deputados no Brasil.

Para quem quiser ler a reportagem: http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,com-lei-tiririca-comeca-reforma-politica-possivel,682063,0.htm

Categorias: Cidadania, Política | Tags: | Deixe um comentário

Manutenção Corretiva: O Programa de Saúde para professores do Estado de São Paulo

Estou publicando o link da página da Folha de São Paulo que noticia a implementação de um programa de saúde para o professor lançado pelo Governo do Estado de São Paulo:

Folha.com – Saber – Governo de SP lança programa de saúde para professores – 15/02/2011

O programa prevê a atuação de profissionais da saúde que irão atuar nas escolas com o objetivo de dar assistência aos professores. Minha opinião é a de que a iniciativa não é ruim, mas ela evidencia que a visão de saúde que este governo possui ainda é centenária: a visão de que a saúde é caso de hospital, ou seja, cuidar da saúde significa somente lidar com a doença, em vez de cuidar para que a doença não afete as pessoas.

É necessário sim um programa de saúde para os professores, mas não adianta muito disponibilizar um profissional de saúde para cuidar dos professores se estes devem estar sujeitos a uma carga horária extenuante para conseguir garantir um salário razoável. Ao ter que assumir muitas aulas, a qualidade da aula dada pelo professor com certeza diminui muito, devido não só ao cansaço, mas à falta de tempo para preparação das atividades. Para um professor que for comprometido com sua profissão, isso pode ser uma situação muito desgastante psicologicamente, pois todos os dias, ao sair do trabalho, a sensação de dever cumprido fica longe de passar pela sua cabeça. A sensação que fica é a de “dever comprido”!

O desgaste físico e psicológico está presente no cotidiano do professor e a criação de um programa de saúde mostra o quanto isto é evidente. Mas mais evidente ainda fica a percepção de que as coisas continuarão assim, que o professor terá que se sujeitar às más situações de trabalho por muito mais tempo correndo o risco de adquirir doenças que o Estado tenta sempre remediar, mas nunca procura prevenir.

Nosso Estado não previne a doença, tampouco promove a saúde. Prevenir significa esforçar-se para não deixar que a doença aconteça. Promover significa tomar ações que estimulem o cidadão a cuidar da sua saúde. A prevenção e a promoção significam menos gastos com remédios, internações e afastamentos.

Quando eu trabalhava na manutenção de uma indústria gráfica em São Paulo, eu reclamava que a manutenção das máquinas era sempre corretiva, ou seja, a empresa só fazia a manutenção quando a máquina quebrava. Em nosso país e em nosso Estado (São Paulo) ocorre o mesmo com o trabalhador. Não se promove a saúde do trabalhador e, de vez em quando, para tentar corrigir uma situação que não tem mais jeito de mudar, cria-se um programa de correção de problemas crônicos fadado ao fracasso, pois a solução proposta é incapaz de lidar com o problema criado.

Caso alguém queira realmente cuidar da saúde dos professores, deve olhar para a situação de trabalho a que este deve se submeter: o trabalho em dois ou três períodos na escola (não estou contando o tempo em que o professor trabalhar em casa, preparando atividades), a falta de apoio nas próprias escolas, a falta de materiais disponíveis para a realização de um bom trabalho, o total abandono da ideia de aumentar o salário do professor, a exposição a agressões físicas e psicológicas em sala de aula ou fora da própria escola e o desprezo que foi criado pela profissão. Do contrário, o número de professores que precisarão de cuidados médicos só tende a aumentar, até chegar o dia em que ninguém mais quiser exercer a profissão.

Por tudo isso, considero esse programa de saúde para professores criado pelo Estado de São Paulo uma propaganda da incompetência daqueles que se dizem preocupados com o futuro da educação do país e daqueles que se dizem preocupados com a saúde do trabalhador.

Para terminar, deixo aqui mais uma evidência de que as condições de trabalho às quais o professor se sujeita em nosso país são deploráveis. Os jovens estão deixando de optar pela carreira de docente porque conhecem as condições que deverão enfrentar uma vez formados. Sabendo disso, o MEC passou a promover este vídeo:

Só um aviso: a propaganda não vai funcionar se as condições reais de trabalho não forem favoráveis. Um vídeo e um discurso são insuficientes para mudar a situação. É preciso despertar e fazer a lição de casa.

Prof. José Gomes

Categorias: Cidadania, Educação | Tags: | Deixe um comentário

Guia Alimentar do Ministério da Saúde

“Você é o que você come!”. Esta é uma frase famosa e que faz sentido. Historiadores relatam que o Homem passou a desenvolver suas habilidades mais especiais a partir do momento em que conseguiu diversificar sua alimentação, ou seja, a partir do momento em que passou a comer melhor. Com certeza, o tema da alimentação ainda está presente e muito se alerta sobre a influência da alimentação na saúde das pessoas. Doenças como diabetes, hipertensão, problemas cardiovasculares, entre outros, estão associados a maus hábitos alimentares e isso pode prejudicar inclusive o bom andamento dos planos profissionais ou qualquer outro tipo de plano de vida. Imagine só, você trabalha a vida toda e quando consegue uma boa condição de vida para desfrutar tudo aquilo que sonhou, acaba ficando doente. Ninguém merece, né?

Um bom nutricionista pode te orientar a comer melhor. Mas para quem não quer pagar um nutricionista e está realmente preocupado com o futuro da sua saúde, o link abaixo é um”prato cheio”

Abriremos um “parêntesis” nos conteúdos de sala de aula e trataremos de um assunto importante para todos, independente da profissão: a alimentação. Dela dependem todas as funções do corpo, desde os movimentos até a capacidade de resolver problemas, de usar o raciocínio ao seu favor em qualquer circunstância. Por isso, cabe a pergunta:

Você se alimenta bem? Sim? Não? Não sabe? Eu confesso que preciso melhorar bastante…

Bom, então prestarei um serviço à comunidade. O Ministério da Saúde disponibiliza um pequeno guia alimentar que indica quais são os melhores alimentos para a nossa saúde, de que forma devemos comer e em que quantidade. Lá você também há a indicação de como fazer para descobrir se o seu peso está ideal, acima ou abaixo do normal.

Acesse o Guia de Bolso sobre Alimentação e comece a repensar seus hábitos de ogro! Ah, mas caso você seja do tipo que come pouco, com medo de engordar, cuidado pois você pode estar ingerindo uma quantidade de nutriente menor do que o seu corpo precisa. Por isso, tanto para os “ogros” quanto para os “filés de borboleta”, o guia disponibilizado pelo Ministério da Saúde é importante. Este pode ser o primeiro passo para você conseguir garantir uma longevidade além da expectativa. Mas não deixe de contribuir com a Previdência Social, senão viver muito pode não ser um bom negócio $$$$.

Abraços!

Categorias: Cidadania, Educação | Tags: , , , , , | 2 Comentários

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: