Posts Marcados Com: poesia

Ansiolítico

ANSIOLÍTICO

Uma guerra civil explode

em seu cérebro.

Dois mundos inteiros pesam

sobre seus ombros

e terremotos tremem

em suas pernas.

Flechas te acertam o peito,

ininterruptamente.

E uma colônia de formigas sobem pelos seus braços,

va.ga.ro.sa…men.te.

Há um deserto em sua boca

e o vácuo no pulmão.

De repente, uma glaciação

e a total falta de controle

sobre o espaço,

sobre o tempo,

sobre o clima,

sobre todos,

sobre tudo.

O mundo te cobra

e você quer erguê-lo,

mas não o suporta.

Não pode vencê-lo

só.

Você se culpa por erros

que não são seus.

Assume responsabilidades

alheias.

Os valores estão invertidos,

protegendo uns

e destruindo muitos.

Aos protegidos: os bens.

Aos destruídos: os ansiolíticos…

…ou o pânico.

Quem te vê assim tranquilo, sereno,

não pode imaginar nem sentir

a guerra civil que explode

em você, silenciosamente.

Prof. José Gomes Pedrosa Neto

Anúncios
Categorias: Educação | Tags: | Deixe um comentário

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: